quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Era uma vez...


... uma mocinha que era namorada de um fulaninho. A mocinha tinha o sonho de se casar e fulaninho, sabendo disso, um certo dia, pediu a mocinha em noivado, de surpresa. A mocinha, apesar de não esperar, ficou muito feliz e começou os preparativos do casório. Só que mocinha e fulaninho brigavam muitas vezes, não tinham nada a ver com o outro e nunca dariam certo como marido e mulher. A mocinha começou a relevar as brigas, porque estava muito envolvida com os assuntos casamentícios e com o sonho de casar. Afinal, quem é noiva sabe o quanto é bom ser noiva. Até que um dia, fulaninho percebeu que aquilo não daria certo, falou para a mocinha que tê-la pedido em noivado foi um erro, que precisava ficar sozinho, e que não queria casar. Isso aconteceu depois de mocinha e fulaninho fecharem casa de festas, igreja, entre outras coisas, 9 meses antes do casamento. E foi então que o mundo da mocinha caiu, não porque ela sentia falta do fulaninho, como ela só pode perceber um tempo depois, mas porque ela sentia falta de alguém... alguém que pudesse acreditar no casamento como ela acreditava. Alguém que quisesse formar uma família junto com ela. Alguém que levasse uma relação a sério realmente. Alguém que correspondesse todo seu amor, toda a sua lealdade, todo o seu respeito e companheirismo. Para terminar, alguém que não brincasse com os seus sentimentos. Enfim, alguém Fofucho. hahaha

Reconheceram a mocinha? Isso mesmo, atual Fofucha. E fulaninho foi um ex-namorado de Fofucha. Esse post foi escrito no estilo "conselho", já que o penúltimo post que escrevi fez tanto sucesso. Acabei, por causa dele, resolvendo falar de mais coisa em que acredito, do que mais minha experiência me mostrou. Não se deslumbrem pelo sonho. Recebi um e-mail uma vez que dizia "Case com alguém com quem você goste de conversar. Ao envelhecerem, suas aptidões de conversação serão tão importantes quanto qualquer outra."  Tinha também alguns outros conselhos e algumas outras coisas sensatas, mas o que mais me chamou atenção foi isso. Você precisa conversar muito com seu companheiro e ter prazer de fazer isso. Você precisa admirar seu parceiro e encontrar qualidades. Sei que a maioria das minhas leitoras são noivas e sentem um grande amor pelo seu parceiro, e isso não servirá muito a vocês. Mas fica a dica para as amigas, as irmãs e as conhecidas que brigam muito com os namorados/noivos/parceiros, que não se dão bem, que não tem as mesmas características e estão juntos por costume, por tesão, por conveniência, ou seja lá pelo que for. Não se deve casar porque está na idade, ou porque todos os amigos estão casando, ou porque é legal preparar um casamento, e nem mesmo só por amor (porque isso é o que você pensa). É difícil alguém conseguir analisar se ama de verdade dentro de uma relação conturbada. Muitas vezes a pessoa acha que ama e só vai descobrir o contrário um tempo depois, seja curto ou longo. Por isso, a decisão de casar deve ser tomada conscientemente, analisando, sim, o amor, mas a cumplicidade, o companheirismo, o respeito e a sintonia de pensamentos. Com isso, não quero dizer que um parceiro deve ser igual ao outro, longe disso, nem que devem pensar igual. Rafael é de Exatas e eu de Humanas, ele gosta de brincar com o cubo mágico e eu tenho vontade de jogar aquilo longe. Mas o que importa é a nossa sintonia de relacionamento e é nesse ponto que os futuros cônjuges devem pensar igual. Em relação a relacionamento, é necessário, sim, um pensamento na mesma direção. É isso que fará diferença para que uma história de amor dê certo ou não. Mais uma vez, se você quer festa e ele não, não importa, isso não é determinante, e esse é um dos dilemas mais simples que vocês encontrarão provavelmente em suas vidas. Mas se você pensa que casamento é para sempre e ele pensa, por exemplo, "é tranquilo casar e se não der certo, depois separamos", aí sim vocês devem parar e pensar se vale a pena juntar suas vidas em uma só. O sonho de entrar de noiva, de ser a princesa-celebridade por um dia deve, sim, ser adiado se há dúvida. Isso é difícil, causa transtorno, pode até haver manifestação de família e de amigos. Mas  NÃO se pode casar com dúvida, com receios ou insatisfações. Porque quando há certeza, o casamento vem tão naturalmente, que a vida os une antes mesmo de vocês casarem. Ela começa a mostrar a cada dia que vocês são melhores juntos e que devem permanecer assim. Porque, como diz uma frase do meu perfil no blog, ser noiva é muito bom. Mas ser casada com o amor da sua vida é ainda muito melhor. Isso, sim, é um sentimento sublime, indescritível, e melhor do que qualquer outro. Não dá nem para explicar. Experiência própria. ;)

Cabe lembrar que Mocinha, atual Fofucha, trabalha com fulaninho, o vê praticamente todos os dias e não guarda nenhuma mágoa. Quer que ele seja tão feliz quanto ela é hoje e será eternamente grata a ele pelo término do noivado. Lógico, né? Imagina se ela poderia ter mágoa de alguém que, indiretamente, deu-lhe a chance de encontrar o Fofucho?! :)

11 comentários:

karina e Júnior disse...

Poxa,incrível o seu post!
Concordo com tudo o que vc disse!
Eu e o noivo,graças a Deus,não temos brigas,nos damos muito bem,e conversamos muito,mas muito um co o outro!
bjs e ótimo post!

Mayra disse...

Nossa tem alguém, muito inspirada nessa semana hein! E antes mesmo de ler o seu comentário final, pensei que bom que o fulaninho fez isso!
Assino em baixo de tudo o que vc falou, o dia da festa representa o ínfimo de uma vida dois,e se não iniciar uma base sólida desde os preparativos, as coisas podem não dar tão certo.
Por isso na medida do possível, dentro dos preparativos, já to aprendendo a ceder, ver mais o lado, conciliar os desejos e por ai vai....

Amei o post, brigada por compartilhar mais um pedacinho da sua vida!

Bjos

Maitê disse...

Fofucha,

Na época em que tudo isto aconteceu ... eu fiquei chocada, revoltada,xinguei o fulaninho de tudo quanto é nome ... mas como eu estava entretida com a reta final dos preparativos do meu casamento, eu não pude dar a atenção devida.

Hoje, olhando e pensando friamente, toda esta situação foi a melhor coisa que aconteceu na sua vida !!!!! Você aprendeu muitas coisas e conheceu o seu príncipe ... alguém "com quem você gosta de conversar. Que Ao envelhecerem, suas aptidões de conversação serão tão importantes quanto qualquer outra."

Beijinhos enormes !!!!!!!!!

Silvia disse...

Outro dia eu estava falando para o Erick que dava graças a Deus que nossa relação era muito mais que uma coisa carnal. Nós podemos conversar sobre tudo e ele é meu melhor amigo e companheiro. É o colo dele que eu quero no fim do dia, é para ele que eu quero ligar para contar qq coisa. E nós não somos iguais, nem nunca fomos, mas somos mais parecidos em algumas coisas do que a maioria das pessoas achava quando começamos.

Beijos!

Liliane disse...

Primeiro que vc é uma figurinha, e ficou engraçadinha a historia da mocinha e do fulaninho...estou morrendo de rir...hehe

Segundo, que quando está escrito não tem jeito. Isso aconteceu para você poder amadurecer. Infelizmente, aprendemos no sofrimento, mas foi passageiro. E sua felicidade hoje não tem preço. Nada como ter um amor sereno, cúmplice, amigo e parceiro. E o principal que viaja no sonho com você. O Evandro era contra casamentos e seus gastos, em poucos meses estava mais envolvido que a noiva, a ponto de brigar com uma noiva por causa de data e reserva no salão de festas.

Eu também acho que vc não deve realmente ter nenhuma mágoa desse ex, afinal ele te levou ao caminho da felicidade =)

Seja muito feliz! Vc é uma fofucha!

Beijão

Sabrina kelle disse...

Lindo seu post!
Andava meio assim com meu noivo brigavamos por td e até pensei em terminar cm ele
Mas orei a Deus e vi quer ele realmente é o meu principe e que as brigas ñ passava de infantilidade de ambas das partes e hj graças a Deus estamos otimos

Bjos
amei o post querida

Beatriz Amaral disse...

tô chocada! jurava que você tinha inventado a historinha só para ilustrar o post! e, depois disso tudo você ainda se dar bem com o fulaninho, você deve ser uma santa! rs! se fosse comigo não iria querer vê-lo pintado de ouro!

conheço um casal que não quis gastar muito na festa de casamento para não rolar uma pressão de ter que dar certo. oi?! mas já casa pensando na possibilidade de separar?! absurdo! não sei o que essas pessoas tem na cabeça!

eu não passei pela sua situação, mas antes de conhecer o Dani eu tinha acabado de tomar um pé na bunda bem dado. mas foi tão bem dado que sobrevoei a Baía de Guanabara e só fui parar no Rio! rs!

mas, assim como eu, bom que aconteceu e você finalmente encontrou o seu Fofucho!

beijocas!

Nessa =) disse...

Musinha, nossa como foi bom ler este post! (inspirada vc não?!) enfim, tive um história semelhante e hj agradeço (e entendo) td o que aconteceu, pois se tivesse sido o contrário, hj não estaria certa do passo que vou dar este ano! Apesar de hj estar um pouco tristinhas por problemas com o noivo ainda tenho plena convicção de q estamos caminhando juntos.
Obgda! Mesmo sem saber me ajudou a fortalecer minha decisão e que mesmo com td diferente, completamos um ao outro.
Gostaria de sua autorização para mensionar este post no meu blog.
Bjkitas

Fabi disse...

Comecei a ler a sua história hoje e fui "devorando" posts. Emocionante! Linda, linda, linda. Fiquei até sem palavras. Amor, quando é para valer, é demais!!
Beijo!

Big Noiva disse...

Tô eu chorando de novo com o seu blog!!! Passei pela mesma situação. Dá um medo danado de se envolver de novo, né? Eu creio que as experiências dolorosas nos fazem mais fortes e maduros para a próxima relação. Fico muito feliz por você, por mim e por todas as moçoilas sonhadoras que conseguiram superar as decepções e continuaram a acreditar e a lutar pelo seu "Feliz para sempre". Beijocas, estou amannnnnnnnnnnnnnnndo o seu blog!

Biessa disse...

Vc está certíssima, Musa.
Eu digo que o Leandro é meu melhor amigo e não é força de expressão. É com ele que eu posso contar sempre, com ele que eu passo hooooras papeando, às vezes falando bobagem e rindo, às vezes desabafando e falando coisas sérias... Isso nos une mais que tudo! Claro que não é só isso, mas ajuda e muito!

Beijo